29.8.05

Noite

Sonhei com um soneto somente.
Era apenas um soneto, um soneto só.
Um soneto tão sozinho que dava dó.
Sonhei com um soneto, indiferente.

Era apenas um soneto, soneto mudo.
Ele não pedia nada, não me falava.
Entretanto me encarava, a tal me olhava
Como se quisesse pôr-me a par de tudo.

Mas era apenas um soneto, era mais um
Era apenas mais um sonho, mais um perdido
E era apenas um olhar, olhar algum...

Noutro dia outra manhã, novos olhares
Dessa velha solidão nos calcanhares
E um soneto a me espreitar, adormecido.

Lucas Tenório

1 Comments:

Anonymous Anônimo said...

Pelo claro escuro
pelo som impuro
obscuros becos claros dígitos

calcanhotto

terça-feira, agosto 30, 2005  

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home