20.4.06

Ordem nº 2 ao Exército das Artes - Vladimir Maiakóvski

A vós
- barítonos redondos -
cuja voz
desde Adão até a nossa era

nos atros buracos chamados teatros
estronda o ribombo lírico de árias.

A vós
- pintores -
cavalos cevados,

rumino-relinchante galardão eslavo,
no fundo dos estúdios, cediços como dragos,
pintando anatomias e quadros de flores.

A vós
rugas na testa entre fólios de mística

- micro-futurista,
- imagista,
- acméistas-
emaranhados no aranhol das rimas.

A vós -

descabelando cabelos bem-penteados,
barganhando escarpins por solados,
vates do Proletcult,
remendões do fraque velho de Púchkin.

A vós -

bailadores, sopradores de flauta,
amolecendo às claras
ou em furtivas faltas,
e figurando o futuro nos termos
de um imenso quinhão acadêmico.
A vós todos

eu -
que acabei com berloques e dou duro na Rosta -
gênio ou não gênio, tenho
a dizer: basta!
Abaixo com isso,
antes que vos abata o coice dos fuzis.

Basta!
Abaixo,
cuspi
no rimário,
nas árias,

nos róseos açafates
e mais minincolias
do arsenal das artes.
Quem se interessa
por ninharias
como estas: "Ah pobre coitado!

Quanto amou sem ter sido amado...?
Artífices,
é o que o tempo exige,
e não sermonistas de juba.
Ouvi
o gemido das locomotivas,

que lufa das frinchas, do chão:
"Dai-nos, companheiros,
carvão do Don!
ao depósito, vamos,
serralheiros,
mecânicos!"

À nascente dos rios,
deitados com furos nas costas,
- Petróleo de Baku! - pedem navios
uivando nas docas.

Perdidos em disputas monótonas,

buscamos o sentido secreto,
quando um clamor sacode os objetivos:
"Dai-nos novas formas!"

Não há mais tolos boquiabertos,
esperando a palavra do "mestre".

"Dai-nos, camaradas, uma arte nova
- nova -
que arranque a republica da escória.


(Tradução de Haroldo de Campos)

http://br.geocities.com/edterranova/maia13.htm

0 Comments:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home