23.9.05

Pequeno Santo Antônio

Argamassa do caminho
nos bueiros conformada:
terra do rato e arauto
de palavra alimentada.

Uns pés de pilão, moinho
mãos de ladrão de tempo
Cortam-se cocos nos conventos
em frente à Casa da Cultura.

A moldura que os olhos vêem
da praça Visconde de Mauá
É de um banco bem pra lá
dos travestis de plantão.

Pegue a contramão
e chegue à estação do metrô
Pergunte-se para onde vou:
cola, pipoca, cocada?

Argamassa do caminho
nos sapateiros conformada
terra do homem e calçada
de poeira apalavrada.

Lucas Tenório

1 Comments:

Anonymous Anônimo said...

naum entendi...

terça-feira, setembro 27, 2005  

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home