27.12.05

A face oculta da sombra

Falar de sombra em pedra
é dizer-lhe da pluma
no dizer que arremeda
lamparina nenhuma.

Na réstia do intestino
de pedra a sombra brilha
na íris do inquilino
estilhaçada em quilhas.

Na íris sombra-marca
de fractais dormentes
em antiincandescentes
soalhos de barcaças.

Ancoradas a fio
de ouro e de barbante
cordames de extravio
em treva naufragante

Engolfada em um sol
de feito estomacal
espelhos de um atol
de lava gutural.

Em luz que é haurida
em sua opaca cama
matéria preferida
do leito de sua chama

E a luz e sombra dobram
o mesmo e ambíguo sino
no ferro em que se forjam
os vãos do cristalino

de transparência muda.
Dos olhos palpebrados
a sombra-luz exsuda
o grito imatizado.

Lucas Tenório

0 Comments:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home