22.12.05

Papel de parede

Entre o avesso recortado, entre a serra
Maquinalmente empregada
A palavra cresta escrita, nela berra
A celulose decepada.

Berra o gemido chiado
O ranger dos dentes incisivos
E em todos os prados
O laminar lascivo.

Lascivo na palavra
Víscera, ferro, ventre
Que o corte de por dentro, entre
Escalavra.

Abre-se-lhe um duto, um traço
De caligrafia erótica
Numa balaustrada gótica
De braço a terraço.

Dos morfemas, antes células
O adorno do corpóreo espaço.
Num bailado de libélulas
De anca a espinhaço.

E se a casa verbal é língua
E a casa da casa monumento
Escrita em sua dor, à míngua
No antigo testamento,

Dói a dor do corte, em Adão
Do pênis que agora é falo
Dói o corte do papel, cambão
Num verbete em que não falo.

Lucas Tenório

0 Comments:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home